quinta-feira, 17 de julho de 2014

MINHA GARAGEM: HONDA XL250R - 1984


Amigos, já escrevi sobre várias motos, não apenas neste site, mas durante os anos em que publiquei matérias de viagens-aventura e testes das mais variadas motos na Revista Duas Rodas, confesso que escrever sobre esta moto não é uma coisa muito simples pra mim. 

Principalmente pelo aspecto emocional, pois essa motocicleta entrou em minha vida no exato dia em que eu completava 15 anos.





Aniversário de 15 anos... presente inesquecível:

Em outubro de 1991, com a família e amigos na Pedra Grande, Atibaia:




Não, não estou falando de uma moto igual a essa, estou falando dela mesma, a "vermelhinha". 

Bem, quando eu a ganhei de presente de meus pais, a vermelhinha tinha apenas 4.000 km rodados, era de um amigo da família, isso foi nos idos de 1988, quatro anos apos sua fabricação. Atualmente a vermelhinha está com 35.000 km rodados e exibe uma originalidade ímpar. (a loucura desse que lhes escreve é tamanha, que até mesmo as lampadas da moto são originais Honda)... enfim, isso resultou com que, no começo de 2014, atendendo as exigências legais para obtenção da placa preta especial para veículos de coleção, ela fosse colocada a disposição de uma banca de Avaliadores do "Veteran Car Club de Campinas" - ligados a Federação Brasileira de Veículos Antigos (FBVA) cujo resultado da inspeção - que muito me orgulhou - foi a pontuação máxima possível para obtenção da placa preta - 100 pontos - moto original - conforme abaixo:













Em fevereiro de 2014, aos 30 anos, ela recebeu enfim a sonhada placa preta e uma festa de comemoração, veja o post da festa clicando aqui!





E ela merece: modéstia a parte, a moto exibe um longo "pedigree", muitos anos de bons tratos e cuidados para chegar até aí:







Programa da TV Globo, Auto Esporte de 2006, a "vermelhinha" virou atriz global...






E algumas matérias da revista Duas Rodas da qual ela fez parte:


Bem, vamos deixar a vermelhinha de lado e falar sobre a XL250R então ?

Foi lançada  no Brasil em 1982, inicialmente importada do Japão, vindo a ser nacionalizada com o lançamento da versão XLX250R no segundo semestre de 1984. 

Por essa razão há uma certa confusão com relação ao ano deste exemplar, pois em 1984 tivemos disponíveis XL250R e XLX250R. Bem, estamos falando da XL250R, ela, conhecida por ser "a japonesa" ou a com "motor melancia", graças ao formato pouco comum da lateral direita do motor.

 


Sua robustez é excepcional, disso todos sabem, mas a razão para isso não é uma informação divulgada aos 4 ventos: a XL250R deriva diretamente da XL500R lançada no exterior na mesma época, compartilhando o mesmo quadro, muitas partes do motor, suspensão. Tudo superdimensionado para uma 250 cilindradas ! Veja as incríveis semelhanças na imagem abaixo:

 


Agora não fica difícil entender as razões que levaram a XL250R "japonesa" a se tornar uma clássica colecionável:

 - estávamos naquele momento ha alguns anos sem a entrada de motos importadas no mercado, e o fabricante conseguiu, através do sistema de CKD trazer essa moto do Japão, montá-la  e vende-la como nacional.

 - poucas unidades: a XL ficou disponível para venda no Brasil por um período inferior a 2 anos, logo sendo substituída pela "nacionalizada" XLX - que tinha um motor diferente. Apesar de mais moderno e mais potente, não tinha o charme do motor japonês. 

 - robustez sem limites, devido ao super-dimensionamento do projeto.

 - projeto muito recente, com tecnologia avançada pra época: 

                - motor de 4 válvulas por cilindro, suspensão traseira mono amortecida (pro-link);

                - ignição por CDI e não mais platinado;

                - sistema elétrico 12v;

- há que se considerar ainda que, quando foi lançada, era a maior trail do Brasil. Condição que se manteve até 1987, com o lançamento da XLX350R, seguida pela Yamaha XT600 Ténéré em 1988...

Abaixo, matérias de revistas internacionais. Ela foi lançada no Brasil e no mundo praticamente ao mesmo tempo:

Mechanics - Inglaterra 1982

Cycle World - USA - 1982

Andando na XL !!!

A partida é à pedal, como era comum naqueles tempos. A XL ganhou fama de ser "quebradora de canelas", e haviam até mesmo tutoriais para ensinar a dar a partida, disponíveis nas matérias das revistas especializadas da época. 
No entanto, uma vez que sua carburação estivesse adequadamente regulada, e a moto não estivesse "afogada", a partida era muito fácil, leve até. 

Uma vez colocada em funcionamento, seu ronco inconfundível, grave, alto, compassado toma conta do ambiente, contagiando o motociclista. Sorte de quem tem uma XL250R ainda com o escapamento original Honda! Os escapamentos de reposição do mercado paralelo não são capazes de reproduzir tal sinfonia de válvulas e pistão... 

O cambio tem relações curtas, adequadas ao fora de estrada, e a abundancia de torque em baixos regimes de rotação nos levam a uma pilotagem preguiçosa, quase sempre em baixos giros e abusando da força do motor. Mas, quando exigida ela responde bem, tendo a faixa vermelha do conta-giros nos 8.500 rpm, graças ao cabeçote de 4 válvulas ela "respira bem" em altas rotações também, fazendo deste motor um dos mais versáteis da categoria - adequado ainda nos dias de hoje.

Apesar do sistema elétrico ser de 12v, o farol, com lampada incandescente de apenas 35w era ligado diretamente ao magneto e não à bateria, e com isso, a variação da aceleração da moto fazia com que a luminosidade do farol variasse também, tornando a iluminação noturna um de seus pontos fracos. 

Os freios também, à tambor, adequados para as necessidades da época, são obsoletos e insuficientes 30 anos depois. Vale lembrar que, em 1980, as rodovias brasileiras eram limitadas a velocidade máxima de 80km/h, a em sua esmagadora maioria eram rodovias de mão simples e que poucos automóveis nacionais eram capazes de superar os 160km/h, enfim, a referência que tínhamos para desempenho era muito limitada. 

A XL 250R, capaz de atingir cerca de 125 km/h reais de velocidade máxima estava, não apenas adequada às necessidades do consumidor naquele momento, mas realmente impressionava a galera, superando tudo que podíamos comprar naquele momento...


Ficha Técnica


MotorMonocilíndrico de quatro tempos, refrigerado a ar, comando único no cabeçote (SOCH), quatro válvulas no cilindro, duas de admissão e duas independentes de escape
Cilindrada248 cm³
Potência22 HP a 7.500 rpm
Torque máximo2,1 kgfm a 7.000 rpm
Diâmetro e curso74 mm x 57,8 mm
Taxa de compressão9,3:1
TransmissãoSeis velocidades, embreagem multidisco em banho de óleo, partida a pedal, transmissão secundária por corrente auto-lubrificada com esticadores
Comprimento2.170 mm
Largura865 mm
Altura1.230 mm
Distância entre eixos1.385 mm
Peso líquido128 Kg
Peso em ordem de marcha140 Kg
Distância livre do solo280 mm
Capacidade do tanque de combustível12 litros (incluídos 2,3 litros de reserva)
Capacidade de óleo no carter2 litros
Capacidade de óleo no garfo dianteiro300 cm³ em cada bengala
Autonomia240 Km (com 20% de margem de segurança)
QuadroSimples tipo Diamond Frame, com motor integrado a estrutura
Suspensão dianteiraTelescópica tipo ceriani, com molas internas, amortecimento misto hidropneumático (ar e óleo), regulável na altura e pressão do ar (de 0 a 0,2 Kg/cm² ou de 0 a 2,8 lb/pol² em cada bengala), 215 mm de curso
Suspensão traseiraChoque único ProLink, amortecedor de duplo efeito com gás e óleo, 190 mm de curso com regulagem de pressão da mola
Pneu dianteiro3.00 x 21 - pressão 21 lb/pol²
Pneu traseiro4.60 x 17 - pressão 21 lb/pol²
FreioA tambor nas duas rodas, acionamento mecânico
Sistema elétrico12 Volts, ignição transistorizada (CDI)
VelaD8EA - folga dos eletrodos 0,6 a 0,7 mm
Relações de câmbio1) 2,307:1
2) 2,111:1
3) 1,590:1
4) 1,280:1
5) 1,074:1
6) 0,931:1


Relação secundária44/14 - 3,143 - por corrente
Informações complementaresCaster - 28° 30'
Trail - 120 mm
Marcha lenta - 1.200 rpm
Lubrificação do motorForçada por bomba trocoidal
Diagrama de válvulasAdmissão: abre a 5° APMS fecha a 30° DPMI
Escape: abre a 35° APMI fecha a 5° DPMS
Folga das válvulasAdmissão: 0,05 mm
Escape: 0,10 mm

Você curtiu essa XL?  da uma olhada então nas outras motos de minha garagem.

22 comentários:

  1. Tive o prazer de tirar uma zero k, azul em 1984, na Honda Tsuji Atibaia... fiz a besteira de vender em 1986, e comprar a XLX 250R de dois caraburadores. Hoje tenho uma 1987 de um carburador.

    ResponderExcluir
  2. Estou restaurando uma 1984 vermelha, até o escapamento consegui original .Tenho o manual,nota fiscal,certificado de garantia e a ordem de serviço da primeira revisão.

    ResponderExcluir
  3. Luís Ricardo Spaniol13 de março de 2015 07:56

    Buenas.
    Eu tenho uma branca 1982 e meu irmão tem outra.
    Andávamos normalmente com as duas até bem pouco tempo atrás.
    Agora, estamos providenciando uma revisão de respeito para ambas.
    São motos guerreiras e merecem o devido cuidado.

    ResponderExcluir
  4. ola boa noite ...acabei de comprar uma 1986 único dono com manual,Velinho2007@hotmail.com...abs a todos e uma bela matéria....

    ResponderExcluir
  5. tenho muitas peças do motor dessas moto se alguém se interessar e so dar um toque 015996605761 Elison

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. ola boa noite,também estou restaurando uma 81,vermelha,comprei tem uma semana rs,estou com dificuldade de encontrar o painel dela,boa sorte pra vc brother

      Excluir
    2. oi amigo, tenho o painel dela aqui, se quiser me procura em diego.rosa@motosclassicas80.com.br e negociamos. abraço,

      Excluir
  7. Parabéns! Muito legal! Tenho uma 83 branca que restaurei, pessoalmente, "parafuso por parafuso".
    É gratificante ver matérias como a sua!

    ResponderExcluir
  8. Ao ler esta matéria, posso dizer que me coloquei no seu lugar, a diferença é que hoje não possuo mais a minha....

    ResponderExcluir
  9. Boa. Noite, tenho uma 1983 com 8.500 km original vermelha, 100% original. Gostaria de colocar placa preta alguem pode me indicar qual é o processo

    ResponderExcluir
  10. Quero comprar uma que seja relíquia e pouco rodada pago bem 75988030615

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho uma vermelha 82. Esta comida a 7 anos. Estava dormindo em uma garagem. Manual cert.garantia.relatório revisão nf da compra na carteira da concessionária.

      Excluir
  11. Vermelha ano 82 está comigo a 6 anos. Estava dormindo em uma garagem. Nf de compra. Manual. Relatórios de manutenção. Avaliação na época. Tudo registrado em concessionária. Não quero mas vou precisar vender. Mas não vou jogar fora.

    ResponderExcluir
  12. Wagner.o número de meu celular é (19) 9.9719.6639

    ResponderExcluir
  13. Que saudade eu tenho da minha xl 83 branca

    ResponderExcluir