sexta-feira, 31 de julho de 2015

O passeio ainda é o melhor remédio!

Confesso que sei, sem falsa modéstia, manter veículos e máquinas em bom estado a longo prazo, desde a maneira de conduzir um automóvel, a tocada numa motocicleta, as manutenções básicas...  Sinto prazer em tocar com suavidade e manter meus veículos.

Não é a toa que, algumas motos são minhas há mais de 25 anos e apenas sendo conservadas, manutenção básica, sem que fossem fruto de reforma ou restauração.

Fato é que, os mecânicos acabam sempre me usando como referencia nesse assunto, hora é a pastilha de freio da esportiva do Diego que passou dos 60.000 km (dianteira!), ou a embreagem que superou os 100.000 km, e por ai vai.

Ontem encontrei um amigo que tem uma XL250R, restaurada e muitíssimo bem conservada, porém ele vive reclamando da moto não funcionar direito, de entupir o carburador, do tanque soltar ferrugem, dos filtros entupirem...  e eu perguntei a ele:  -  cara, você anda com sua moto?


Eu na verdade já conhecia a resposta, ele não liga a moto quase nunca, depois de 6 meses parada vai tentar ligar e ai é aquele discurso todo...  ele confessou dar uma voltinha por ano, talvez duas.


Puxei sua orelha e disse que a moto agradecia se ele pudesse mante-la funcionando com frequência. Não precisa ser tão exagerado como eu sou, de sair com todas pra uma pequena volta semanal, mas pelo menos, no minimo mesmo, sendo relaxado, uma voltinha de uns 10 km uma vez por mês é imprescindível!

Rolamentos não travam nem criam calos, pneus não deformam, borrachas demoram mais a ressecar, gasolina circula, óleo circula, ferrugem se afasta, todos os sistemas são colocados em funcionamento. Qualquer diferença no funcionamento será percebida imediatamente e você terá tempo de reagir.

Enfim, não há nada melhor para a SUA motocicleta - do que um simples passeio!

Se posso incluir algumas recomendações extras, mas extremamente simples também são:

- calibrar os pneus a cada saída (considere que pneus antigos, com câmeras, perdem pressão com maior facilidade do que os modernos radiais de seu carro);

- manter o tanque de combustível cheio (evita ferrugem no interior do tanque);

- esvaziar o carburador ao final de cada passeio (basta fechar o registro do combustível antes de chegar em casa e deixar a moto em marcha lenta até que o carburador se esgote);

- manter a motocicleta limpa (onde para sujeira, fica umidade, onde tem umidade aparece a ferrugem).

Pronto!  com essas 5 dicas, talvez as mais simples e básicas de todas, sua moto estará protegida pelos próximos anos.

Bom passeio!

2 comentários:

  1. Excelente matéria para os que pretendem ter uma clássica na garagem.
    Sempre falo, moto parada é estrago na certa. Um conhecido aqui, tem uma 750 four 1973 e uma Gold Wing 1976, ambas com 20.000 kms rodados. Ou seja: nada de nada. Vira e mexe o mecânico tem que ir na casa dele pegar as motos, uma semana de oficina e depois o cara só dá uma voltinha. Uma pena.
    Não faz muito tempo, voltando de Maringá(PR), com minha CB 450 TR, um cara viajando com sua Suzuki GT 380. Batendo papo ele me falou de outras que teve e nunca deixou parada, estragando.
    Pelo menos duas vezes por semana andar com a moto não precisará fazer nada além do básico. Pega um domingo e dá um giro pela manhã ou a tarde, numa quarta-feira faça o mesmo. Se trabalha durante o dia, anda a noite. Viajar se possível. Moto parada estraga.

    ResponderExcluir
  2. Essa matéria me fez lembrar que preciso andar mais com minhas motos (hornet 2006 e CB 450DX 88).... faço manutenção preventiva e ando, mas pouco... sempre digo que a baixa km de minhas motos não é motivo de orgulho... gostaria de usá-las mais, mas sempre é tempo.

    ResponderExcluir