quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

O Vírus do Deserto!

Apesar da grande quilometragem que rodei em cima de motos esportivas nos últimos 17 anos, considero-me um "Ténéréiro"!

Em 1990  deixei o interior de SP para viver em Blumenau (SC). Tinha apenas 18 anos, já possuía e pilotava motos há 5 anos.  Com pouca grana no bolso, não hesitei em desfazer-me de minha VW Parati, e "em nome da economia", montar em uma XT600Z 1988.

Pra quem não frequenta aquela região imagina que é uma região fria, e de fato é, porém no verão o calor supera e muito o que estamos acostumados na região sudeste!  Abafado, se aproximando dos 40 graus com alguma frequência.

Na época eu era vendedor de bens de informatica e trabalhava de gravata diariamente, o que não era exatamente uma combinação perfeita: moto, calor, gravata, temporais de verão... mas nos finais de semana eu "me vingava", quando colocava a Ténéré na estrada e rumava pro litoral.


Ali, em cima daquela XT600 88, eu fiz os primeiros planos de aventura em uma motocicleta! Sonhos que felizmente vieram a se concretizar nos anos seguintes, com outras motos...  Mas enfim, foi a minha primeira Ténéré, e o "Vírus do Deserto" havia me picado.

Vieram outras Ténérés depois, como a XTZ750 SuperTénéré (grená) 1996 e posteriormente a SuperTénéré (azul) 1997, com as quais rodei bons quilômetros, deixaram saudades.

Agora, depois de um longo período basicamente sobre o assento de motos esportivas, resolvi voltar as origens e comprar uma nova SuperTénéré.

Como "Ténéréiro" que me considero, resolvi, pela minha ótica de consumidor, comentar sobre a incrível evolução dessa dinastia - Ténéré.

Algo bem leve, não vou me aprofundar em técnicas e nem transformar esse texto em um tratado sobre a evolução das Ténérés, vou inclusive limitar-me a esses três modelos apenas, deixando de lado neste momento as não menos importantes: Ténéré 660cc  e a 250cc.

André e Klever nas primeiras edições do "Dakar"
A XT600Z Ténéré, no final dos anos 1980, era, no Brasil a expressão máxima de aventura que uma moto podia trazer. Era basicamente a mesma moto que levava pilotos ao verdadeiro Paris - Dakar (aquele que efetivamente saia de Paris e chegava a Dakar) - incluindo ai os brasileiro Klever Kolberg e André Azevedo.

Mas a aventura naqueles tempos era mais precária, ou seria simplesmente mais legitima?

- os grandes luxos que a XT trazia eram:  a partida elétrica, aros de alumínio e o freio a disco na dianteira.
Seu motor monocilíndrico refrigerado a ar e óleo transpirava robustez, seu tanque enorme transmitia confiança de se chegar a qualquer lugar, e a robustez era tamanha que, apesar de ter partida elétrica, o pedal de partida se fazia presente!  - sabíamos que nada a podia parar.

Os equipamentos também eram precários, a mochila nas costas dava conta da bagagem (e destroçavam a coluna do motociclista), e em caso de chuva?  jornal no peito era a solução!


Já a XTZ750 trazia, poucos anos depois, uma dose massiva de tecnologia, com as quais não estávamos habituados naquele momento.

- motor bicilíndrico conceito gênesis (inclinado 45 graus, paralelos, refrigerado a água e com 5 válvulas por cilindro)
- freios a disco duplos na dianteira e singelo na traseira
- desempenho fantástico, igualando em velocidade final as Honda CBX750F - um feito para uma big trail!

Os equipamentos de pilotagem disponíveis no Brasil ainda eram poucos, pra viagem usava-se uma boa calça jeans, uma jaqueta pesada de "nylon de paraquedas", uma bota tipo coturno.  Lembro-me claramente, naquela época meu pai era piloto de aviação e havia comprado nos USA um "GPS".  Era um monstrengo, que nada tem a ver com os navegadores que conhecemos atualmente.  Me lembro em uma ocasião, ter ido pra Serra da Canastra com a Super Ténéré e uns amigos, e portando o GPS a unica informação que eu conseguia dar aos meus amigos eram:  altitude e distancia em linha reta da cidade de Franca (SP) - que era representada por um ponto numa tela basicamente negra.  Eu sofri "bulling" por conta disso!

Com alguns amigos na serra da canastra, e muitas Ténérés...

Mas agora tudo mudou!

A XT1200DX (ZE no exterior) é uma moto completamente diferente, se mantém o motor bicilíndrico a água, as semelhanças terminam por ai - a eletrônica tomou conta da moto e itens que antes não populavam nossos sonhos estão presentes:

- transmissão por eixo cardã;
- controle eletrônico de tração;
- freios ABS (combinados);
- diferentes mapas de potencia disponíveis;
- piloto automático;
- suspensões eletrônicas (regular suspensão era "artigo de luxo" naqueles tempos... imagina com o toque de um botão?!);
- manoplas aquecidas;
- injeção eletrônica;
- pneus sem câmara;
- regulagem do para-brisas;
- regulagem da altura do banco.

Super Ténéré 1200 (edição especial: 60th anniversary)


E a mochila? onde fica?  nada disso... malas de alumínio, com chave, impermeáveis e colocadas em suportes especiais dão conta de toda a bagagem - até mesmo as da esposa!

Roupas com airbag, filtros (H2Out) para impedir a entrada de água, ventilação, fazem parte do nosso quotidiano, mas sequer imaginávamos tal conforto naqueles tempos.

O fato do GPS não ser de série, não é um problema, pois há pré-disposição de fábrica para instala-lo no painel, assim como tomada 12v que evita gambiarras elétricas - sem falar que os GPS atuais funcionam, foram desenhados especialmente para motocicletas, permitem o uso da tela touch-screen com luvas, armazenam dados da manutenção da moto, informam a calibragem dos pneus em tempo real e etc...

Nossa! confesso que levei um susto. Onde estava aquela aventureira rústica que me ensinou os caminhos do mundo? robusta e indestrutível?   Pois é, apesar de tanta tecnologia embarcada, segundo consta a Ténéré segue indestrutível:


Nick Sanders com a Super Ténéré entre Ushuaia e Alaska!

O Inglês Nick Sanders é prova disso, ele levou uma SuperTénéré de Ushuaia ao Alasca - IDA E VOLTA - em apenas 45 dias, e a moto não teve absolutamente nenhum problema mecânico!!

Outro cara que testou e aprovou a Super Ténéré 1200 em situações que nem mesmo seus projetistas imaginaram foi o Leandro Mello, que a levou primeiro pra Interlagos pra disputar as 500 milhas e depois para competir em um enduro FIM.  Coisa pra quem é efetivamente do ramo! A moto aguenta, mas os méritos são efetivamente do Leandro, piloto pra quem eu tiro meu capacete!

Leandro Mello durante as 500 milhas de interlagos - com a Super Ténéré

E com a mesma moto, apenas pneus e detalhes alterados - competindo prova da FIM de enduro

Que evolução hein! Vida longa à rainha!


2 comentários:

  1. simplesmente, uma moto fantástica esse mito XT 600....também sonho com uma fazn edo companhia pra minha Dakarzinha.... Parabéns pelo revival e comparação...

    ResponderExcluir