Postagens

Mostrando postagens de Março, 2018

A moda norte americana....

Imagem
Nos anos 1980 por aqui o motociclismo era muito simples, haviam os treeiros com suas DTs, XLs e Agrales - haviam os urbanoides, munidos de CGs, Turunas, MLs, RDs e cia ltda - poucos aventureiros se arriscavam nas estradas, os que faziam usavam as recém lancadas XLX350R ou TÉNÉRÉS de 600cc, pois nossas estradas não eram lá grandes coisas (são atualmente?!?!)...  ahh claro, e no topo da cadeia alimentar estavam os CBzeiros - de 400/450cc ou 750cc esbanjando dourados (quis dizer, cromados) kkk.

Ei!  tá doido?  esqueceu-se das RDs 350?  claro que não, tamanha barulheira seria impossível esquece-las... é que elas estavam atras da nuvem de fumaça!!!!


Ai...  começo dos anos 1990...  um tal presidente da república (hei - combinamos de não falar de politica aqui... lembra-se?!  .... - pois é, más to citando um fato histórico apenas..) chamou nossos carros de carroças e abriu o mercado brasileiro às importações.

Entre as motos importadas que começaram a pipocar aqui e ali, esportivas, 1000cc, …

Garagem do colecionador: Honda NX650 Dominator 1992

Imagem
Mais de uma década havia se passado desde que as Big Trail passaram a habitar nosso planeta - 1975 foi exatamente quando a Yamaha colocou a XT500 no mundo - e desde então, a evolução dessa espécie foi rápida demais - curiosamente, podemos afirmar: "desde que nasceram, não paravam de crescer".

Tanques de combustível cada vez maiores, motores também cresciam, cursos de suspensão mais longos foram alguns dos recursos conquistados nessa década...  Más, Isaac Newton - em sua terceira lei de física - já nos ensinava: toda causa tem um efeito -  As motos ficaram lindas, incríveis, "Dakarianas", mas ganharam peso, ficaram pouco práticas para o dia a dia, complicando assim a vida do usuário urbano.

Original é o escambau!

Imagem
É amigos, infelizmente a "lei de Gerson" (com todo respeito e a devida desculpa aos leitores de nome Gerson) é válida até mesmo em nosso meio.  Somos colecionadores, apreciadores de motos antigas, motoqueiros com bom pedigree... mas nem sempre do outro lado do balcão tem alguém com a mesma boa índole.

Eu mesmo, quando comecei a comprar peças pras minhas motos já cai nesse golpezinho bobo.  Tem essa postagem então, a intenção de alertar aos amigos a respeito desses espertalhões de plantão.

A primeira Ténéré a gente não esquece

Imagem
Você lembra dessa frase "o primeiro Valisère a gente nunca esquece"? Ela ficou famosa na propaganda da menina que ganhou o primeiro sutiã e, num passe de mágica, se transformou de patinho feio numa jovem sensual. Lançada em 1987 ganhou as ruas e caiu na boca das pessoas. Naquela mesma época chegava às concessionárias da Yamaha a nossa primeira big trail: a gloriosa Yamaha XTZ 600 Ténéré.
Voltando a falar da menina e seu sutiã, a propaganda saiu do vídeo e ganhou as páginas das revistas, jornais e outdoors estampando o slogan e uma frase em letras miúdas "um menino não esquece a visão do primeiro sutiã ao espiar garotas no banheiro de um colégio de freiras"... Lembra da cara do moleque abobalhado? Pois bem, eu fiquei assim quando vi a Ténéré naquele distante 1988...


E lá se foram 30 anos e eu continuava com aquela cara de tonto cada vez que via uma Ténéré passando na rua ou na estrada.

A CB750 mais cara do mundo!

Imagem
Esse protótipo de pré-produção construído para fins promocionais em 1968 (foram construídos 4 e existem 2) foi vendido por US$ 263,725 no ultimo dia 04 de março (2018) durante um leilão realizado no "British National Motorcycle Museum" - tornando-se a mais cara motocicleta japonesa vendida em um leilão em toda a historia!

HONDA CB400

Imagem
Convido o leitor a fazer uma viagem ao tempo:  Imaginar-se bem no comecinho dos anos 80, importações fechadas ha 4 anos, as motos "grandes" importadas se deteriorando, quebrando, sofrendo da falta de peças e principalmente, perdendo prestigio rapidamente, pois já eram superadas no exterior e aqui eram "modelo antigo e descontinuado".  Eis que neste cenário surge, produzida no Brasil (muito embora apenas 15% nacionalizada) a noticia do lançamento da CB400. Apesar de ter apenas 2 cilindros e gerando algum descontentamento  aos "órfãos das four" dos anos 70, a CB era moderna, estava em linha na Europa e USA, era fabricada no Japão, trazia desempenho excelente para aquela época.

Uma pontinha dos anos 90

Imagem
Já é tradição, sempre que meu cunhado me visita, vamos dar uma volta com as motos antigas, Rogério é dos poucos caras que frequenta minha garagem, aponta pras motos e escolhe com qual vai sair.

Acontece que fazia um bom tempo que ele não vinha pra cá, e com isso, algumas das motos conhecia apenas por fotografia. Quando a família chegou pra passar o carnaval em casa, todos acomodados, e logo descemos pra garagem pra ver as novidades...

De cara Rogério apontou pra duas que queria experimentar primeiro, e curiosamente não eram motos dos anos 80, eram motos do inicio dos anos 90.

Como aqui somos democráticos, e, apesar do nome "Motos Clássicas 80", nos permitimos invadir os últimos anos da década de 1970 e os primeiros anos da década de 1990, desta forma vamos, nesta postagem, explorar justamente o "requinte" dos primeiros anos dessa década.  Os exemplares escolhidos nos permitem essa analise: