O prazer do pedal


Entre as características intrínsecas a uma moto antiga está o pedal de partida! Já comentamos sobre o carburador algumas vezes, sobre afogador, torneira de combustível... mas, de todas essas, a que mais chama atenção é sem duvida o pedal de partida!

Terror de uns, prazer a outros... mas qual a razão por ser amado e odiado?



Defendendo a turma do prazer, confesso que é muito legal aproximar-se da clássica (que já chama atenção só por estar ali), e nos momentos que antecedem a partida ver formar-se uma rodinha.  Enquanto alguns estão curiosos pra ver como é a partida a pedal, outros esperando a possibilidade de uma "vídeo cacetada", pois em suas memorias devem ter alguns hematomas e dores...

A partida a pedal, é praticamente uma cerimonia, celebrada entre motociclista e motocicleta, e o resultado é, literalmente, uma explosão... ou várias na sequencia!

Já os que odeiam a partida a pedal, estão aqueles que certamente se machucaram em algum momento, ou não tinham/tem uma assistência mecânica boa o suficiente que lhes permitisse gozar deste prazer.

Mas o que uma coisa tem a ver com a outra?

O maior segredo da partida a pedal, todos imaginam: é a manha!  Cada moto tem sua manha, e ali que da-se inicio ao cerimonial da partida... Porém, antes desse momento, é fundamental que a mecânica da motocicleta esteja 100% em ordem.  Desde carburação, cabo do afogador, cabo do descompressor (se o modelo tiver) e suas regulagens todas tem que estar perfeitas!  Ou... não há manha que a faça funcionar!  Nessas condições... só com mandinga mesmo!

Algumas motos tem fama de quebradoras de canela, e pra desmistificar, no vídeo abaixo demos partidas em algumas que são bem conhecidas do motociclista pela má fama - são todas igualmente fáceis de partir, desde que respeitadas as condições citadas.




Comentários

  1. Legal lembrar disso. Quando tive uma CB 400, dava a primeira partida do dia no pedal. Foram mais de 4 anos sem problema algum no motor de partida, o tempo que fiquei com ela. E é muito legal dar partida no pedal numa clássica .

    ResponderExcluir
  2. Nunca tive maiores problemas, a não ser com uma yamaha dt200r 1999. Adquiri com 6.500 rodados, novíssima, realmente de garagem. Mas, dar a partida nela foi um total pesadelo. Cheguei a fazer retifica do motor e elétrica completo, e não resolveu. Após ano e meio, vendi no estado de zero. Um pesadelo!

    ResponderExcluir
  3. Minha tia morava num condomínio aonde morava um médico e tinha uma Honda xlx350 e... coitado.Era um pesadelo ele fazer a moto "pegar".Ficava suado e com aquela roupa branca,não era legal.
    Tive um Yamaha dt200 e após uns 2 anos começou a ficar difícil de dar a partida.Foi trocado um componente elétrico(não me lembro o nome) e resolveu o problema e como era uma 2 tempos era mamão com açucar dar a partida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário