Vestida ou peladinha?

Não vou falar de motos antigas ou clássicas, mas de um modelo que desde seu lançamento, em 1978, se mantém entre os mais carismáticos do mundo: a Yamaha SR 400. Se ela fosse vendida no Brasil eu teria uma na garagem para rodar com ela todos os dias. Talvez seu carisma venha do estilo despojado e da gostosa "pedalada" necessária para ligar seu motor, pois ela não têm motor de arranque e partida elétrica. Seja como for ela é muito amada, prova disso é que até uma coleção de "roupas" a SR 400 ganhou. As vestes foram criadas pelo designer japonês Hideaki Shikama exclusivamente para essa histórica Yamaha.




Você vestiria?

Não quero discutir o mérito das roupas (se são práticas, bonitas ou só frescura) mas o grande atrativo é a presença dessa moto no mercado e como ela ainda chama atenção. Parece que o tempo não passa para a SR 400 que está a venda há mais de 40 anos e presente em países os Estados Unidos.
Na América esse modelo — que usa motor de um cilindro com 399 cc, duas válvulas, refrigeração a ar e câmbio de cinco marchas — custa US$ 5.999.
Simples na motorização e no design a SR 400 é uma guerreira que não se deixa abater. Ano após ano continua enfrentando os novos desenhos, cada vez mais ousados das ousados das motos modernas. Sua armas são apenas o motor, quadro, rodas, bancos e o clássico farol redondo.
Uma moto prá lá de legal que já esteve nas páginas do Motoclassicas80, mas agora ela volta pois foi homenageada com suas roupas e um desfile na Semana da Moda de Paris. Isso é apenas uma prova que o clássico nunca sai de moda. E você, prefere a SR 400 de roupa ou peladinha?

Comentários

Tabajara disse…
Muito legal falar dessa moto, já que poucas informações sobre ela chega até nos. Simples ,básica e eficiente. Lembro da Suzuki Intruder 250, que infelizmente, saiu de linha aqui muito rápido.