ZEN e a Yamaha RD350

ZEN e as Yamaha RD 350 LC 1991.

Manhã fria de outono, sol se levantando e preciso recortar tiras de borracha para colar nas laterais internas da carenagem para funcionarem como "amortecimento" e proteção para as junções de peças plásticas. A Yamaha RD 350 LC (o LC vem de Liquid Cooled - Refrigerada a líquido) tem muitos parafusos e buchas de fixação que vão "sumindo" da prateleira na medida que a carenagem se recompõe, não se podia esquecer nenhum senão... barulheira por todo o caminho. 

A RD350R 1991 talvez tenha sido das mais bonitas lançadas: rodas brancas, faróis duplos, carenagem integral...


Era assim, lançada no final dos anos 80 com 62% de nacionalização, o modelo 1991 da RD com carenagem completa pode ser considerada a mais bonita, mas era também a mais trabalhosa...

Momento mágico de ligar a ignição e ouvir o som da válvula YPVS percorrer seu caminho total abrindo e fechando novamente antes de "despertar" o motor. Se o som não estiver correto... nova desmontagem para limpeza. Dai que sempre que vejo RDs elas estão sem carenagem, fica mais "bandidona", mas acho que "a real" é o dono se enfurecer com as peças da carenagem....

O som grave do dois tempos de  347 centímetros cúbicos "enche" a garagem, enquanto aquece até 40 graus para ficar redondo com um trotar gostoso, fumaça azul e cheiro de óleo 2T hoje tão raro de sentir... Polui sim... Mas que é gostoso é!

Tentar acertar os belíssimos retrovisores estilo Formula 1 (da época, claro) a bem da verdade é inútil e eles mostram mesmo mais os ombros do piloto que a estrada atrás. Tudo bem, nesse horário da manhã todos dormem e não vai ter mesmo quase ninguém atrás. Lá vamos nós pelas ruas do bairro, devagar mas com bom torque em baixa garantido pela válvula YPVS "fechada" como se fosse outro escape para o motor funcionar bem em baixa e oferecer bom torque de até 4,7 kgf.m - mas só depois das 4000 rpm. A RD fica incomodada com trânsito, o ponteiro da temperatura sobe até 80% do curso com a moto parada, por baixa passagem de ar no radiador cheio de Rad Cool e Água desmineralizada a 50% ou o produto usado nos caminhões (Visconde) que é similar mas já vem pronto. Tudo bem, logo vamos ter bastante ar...

E surge a Marginal Pinheiros, em 1991 deserta, sem radares nem buracos nem assaltantes de tocaia atrás de motos, um convite a enrolar um pouco de cabo e ver o motor dar aquela embaralhada com borra de óleo 2T e lá pelas 5000 rpm dar uma baforada de fumaça azul e se libertar para a vida! Os ponteiros do velocímetro e do conta-giros sobem, o da temperatura abaixa para confortável 50% e o som do motor é uma sinfonia de destruição da paz, chamando a adrenalina e deixando o corpo atento a tudo para ser rápido...

Infelizmente encontrei poucas fotos da minha RD350R, são fotos que estão em papel, estáticas, enfim... mas são fotos da minha moto!


Para onde vamos? Paçoca em Uberaba? Jornal em Ribeirão? Ah... Compromissos logo mais, então hoje vai ser Castelo Branco até a vizinha Sorocaba para relembrar a leitura do Jornal Diário Cruzeiro do Sul e rever minha Faculdade na entrada da cidade... Agradecimentos por estar ali, por dispor desse sonho comprado à vista mesmo custando todas as economias, atirando com todas as armas, quebrando o medo depois de ter levado um tiro nas costas para não entregar a moto... 200 km dessa vez, poderiam ser 800, 1.200... O prazer dura mais... Mas é sempre o mesmo e tem um clímax de reencontro, paz, deve ser isso a tal liberdade, o estado ZEN como dizem os budistas. Será?

Chego feliz, revigorado, pronto para... Desmontar e enfileirar todos os parafusos da carenagem, agora sob o sol para a limpeza. Para que tudo fique preparado para a próxima, afinal, semana que vem tem mais...

Comentários

  1. Parabéns pelo artigo !!
    Conseguiu transmitir a sensação de pilotar uma RD 350 !!
    É por isso que sou RDzeiro mesmo !!

    ResponderExcluir
  2. fantástico... por menor que seja a cilindrada ou o giro, uma volta de moto nos torna outra pessoa , outra forma de ver o mundo, as pessoas, a vida .....

    ResponderExcluir
  3. Descrição poética na verdade. Show. As eternas RD 350, de sonho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário