A crônica da Mobylette

Compartilhe este conteúdo

O Barn Find e a Polícia

Em uma postagem anterior, contei pra vocês como foi encontrar uma Mobylette Caloi XR50 1987, ela ficou uns meses na fila da manutenção da garagem, foi inteiramente revisada e, finalmente, chegou a hora de dar uma volta com ela.

Barn Find – é como chamamos aquele veículo que é encontrado em um
galpão ou garagem, abandonado há décadas, mas com suas características preservadas.

A última vez que eu andei numa mobila foi pouco antes de completar 14 anos… Já se passaram 34 anos desde então. Na época, “fugir” da polícia não era coisa de marginal apenas, mas também os garotos menores de idade, que, como eu, não podiam pilotar e o estavam fazendo, nesta outra matéria falamos sobre esse dia a dia de garotos com Mobylette e a polícia.

Rodando com ela

O Urso do Circo – assim me senti em cima da mobylette

Bem, dar a partida não foi nada difícil, sonzinho agradável, fumacinha do motor 2 tempos, coração batendo forte, como na primeira vez que subi em uma Mobylette. Uma grande diferença que, nesses 34 anos, “cresci” um pouco – 110kg e 1,90m de altura, em cima do ciclomotor, me senti o verdadeiro urso de circo – com apenas 46kg a pequena Caloi praticamente desapareceu atrás das minhas pernas.

blank
A Baratinha da polícia vivia atrás da molecada e seus ciclomotores.

Mas ela deu conta, e com entusiasmo foi acelerada, me levando, sorrindo, pelo trajeto entre a garagem e minha casa, de apenas 4km. Motoqueiros profissionais, senhoras, senhores, pedestres, torciam o pescoço. Acredito que alguns tenham reconhecido a raridade e viajado no tempo, outros se divertindo com o gigante sobre a “pobre” Mobylette. Eis que em uma esquina, dois guardas e uma viatura parada com giroflex ligado! Pronto! o suficiente pra rebobinar a fita inteira e me lembrar do esforço que era feito pra evitar esses encontros. Mas quer saber? Os guardas nem deram bola pro coroa barbado que se divertia no ciclomotor, e o passeio seguiu.

Diego Rosa Mobyllete Caloi XR50 87
Um grande barato “acelerar” um veiculo que pesa 40% do meu peso!

Na subida tem que pedalar

Os últimos 300 metros antes de chegar na segurança da garagem de casa, há uma longa subida e imaginei que, com o peso atualizado, teria que pedalar ou passar vergonha. No pé da subida, acelerei, embalei – no meio dela há um semáforo, que não estava lá em 1987, mas dei sorte, estava aberto! Ufa! Então foi só manter a aceleração, sentindo ela ficar mais fraca, me divertindo com o ponteiro do velocímetro que balançava freneticamente, como que em um aviso de preocupação, e lentamente chegar em casa.

Não importa a moto

blank
A pequena Mobylette Caloi XR50 1987 ao lado da Gigantesca BMW K1600GTL – de um lado 50cc 2 tempos com 3cv, de outro uma usina de força de 6 cilindros em linha, 1650cc e mais de 160cv – isso importa?

Algo que sempre dizemos aqui, não importa a moto que você está usando e sim o prazer que ela oferece e as boas lembranças que vem junto. Esse foi o caso, um passeio de apenas 4 km com uma “motinho” de apenas 3cv, rendeu essa crônica, que espero, tenha feito você viajar no tempo também.

Assista ao vídeo

Assista ao vídeo

Compartilhe este conteúdo

One thought on “A crônica da Mobylette

  • blank

    Sou de 1980 e lembro quando pré adolescente, com apenas 12 anos, tinha um garoto (que não lembro o nome) que passava em frente minha casa com sua Mobylette. Achava aquele garoto o máximo, com uma “moto” daquela. Realmente um texto nostálgico. Parabéns!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *