Quando a raridade troca de mãos…

Compartilhe este conteúdo

Essa era uma dúvida que me atazanava! Tirando os já tradicionais e “manjados” anúncios de “moto de colecionador” que, em 90% dos casos, é apenas uma moto velha, mas vez ou outra eu encontrava um colecionador se desfazendo de alguma de suas motocicletas. As vezes consegui comprar assim. Mas afinal, o que leva o colecionador a vender suas joias, garimpadas com tanto carinho?

É obvio…

Claro que entre as razões mais obvias estão o falecimento do colecionador, quando sua família, bem ou mal assessorada acaba se desfazendo dos itens da coleção. Também caso de doenças ou problemas financeiros, quando não faz mais sentido manter o acervo.

…Mas não tão obvio

Mas em algumas situações, não tão obvias, que o colecionador deseja se desfazer de algumas motocas.

Um elefante incomoda muita gente

Parece brincadeira pra quem está começando a colecionar, pois na garagem onde cabe uma moto cabem duas, três. Então, no primeiro momento não há preocupação com espaço. Motos são pequenas se comparadas aos automóveis, e “cabem em qualquer lugar”… Mas sabemos que dois elefantes incomodam muito mais. Quando a coleção começa a crescer, em um dado momento não há mais onde enfiar tanta moto.

Quando não conseguir mais chegar em suas motos, é hora de conseguir mais espaço…ou vender algumas

Então, a não ser que haja disposição para construir mais e mais galpões, em um momento, se quiser comprar novas motos, tem que ir tirando outras do espaço

Apareceu mais uma

Um jargão comum entre os colecionadores é dizer que “apareceu uma moto”, isso é, mais uma foi em algum canto disponibilizada para venda. Sempre que “aparece” alguma nova velha moto, a comunidade fica em polvorosa. Mas e aquele colecionador que tá mais parecendo um acumulador, pois suas motos estão empilhadas e empoeiradas? Pois é, neste momento que ele acaba vendendo uma de suas raridades. Claro que vai ofertar a de menor apreço e não tão rara, mas pra outro colecionador pode ser de grande interesse.

blank
Um elefante incomoda muita gente… Se aproxima o momento no qual voce não consegue acessar uma moto sem tirar a outra.

O colecionador comerciante

E tem também aquele colecionador que tem o comércio nas veias, não gosta de ver seus bens parados e está sempre reciclando seu acervo. Usa sua coleção como show room, é claro que algumas raridades não são vendidas jamais, mas sempre está entrando uma velha-nova e saindo uma nova-velha. Nesse vai e vem, conhece gente, se diverte, encontra novas motos, garimpa algumas que ficam em sua coleção, e de quebra consegue ganhar algum dinheiro nas negociações.

blank
Empilhar pode ser uma saída…

Sempre há esperança

Uma coisa que aprendi nesses anos colecionando é que sempre há esperança. As oportunidades aparecem com certa frequência, é importante ter bom networking para que essas oportunidades apareçam para você, desta forma aquela moto que você acha que se tornou impossível comprar, pode um dia aparecer na sua frente. Ai é hora de encher o peito de ar e gritar primeiro: – Eu fico com ela!


Compartilhe este conteúdo

One thought on “Quando a raridade troca de mãos…

  • Essas clássicas…haja coração. Mas uma Moto Guzzi 1000 SP2, uma Suzuki GS 1000 de 1980, não ocupam espaço, kkkk.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.