Propostas diferentes – Honda XL, XR e NX

Compartilhe este conteúdo

Com base mecânica similar, mas propostas muito diferentes, essas três series da Honda – XL, XR e NX fizeram parte de nossa vida como motociclistas. Embora de forma tímida, nós brasileiros tivemos acesso a algumas motos das três linhas.

Infelizmente as linhas, tão amplas no exterior, aqui foram representadas por apenas algumas motos, muitas vezes confundidas entre si. E é dessa confusão que a gente vai falar hoje.

nx xr e xl honda - propostas diferentes e mecânica parecida
Com base mecânica similar, as linhas XL, NX e XR da Honda tinham vocações diferentes.

A Base mecânica é similar

O motor costuma ser um item comum às séries e todos, invariavelmente, são propulsores quatro tempos, em sua grande maioria monocilíndricos e refrigerados a ar. As cilindradas variaram das pequenas 50cc até exageradas 1.000cc, mas o foco maior foi na faixa das 125cc a 600cc.

Mas as propostas são diferentes

A proposta da linha XL

Aqui no Brasil, nos anos 1970, recebemos a XL250 Motosport, monocilíndrica, 250cc, refrigerada a ar, comando simples no cabeçote. Seu motor possuía 4 válvulas, com partida a pedal e cambio de 5 marchas. Suspensão traseira com dois amortecedores hidráulicos e freios a tambor.

Depois, já nos anos 1980, a XL 250R (chamada de japonesa pois tinha maior parte dos componentes importados), a XLX 250R, a XL125S e a XLX 350R completaram a linha.

XL 250R - a linha xl com uma proposta de uso misto, on off road
Grande sucesso mundial, a linha XL foi criada para agradar o publico on e off road

Meio fora de contexto, mas não podiam ficar de fora, a Transalp e da grandalhona Varadero, pouca gente se lembra, mas as duas, mesmo com seus motores bi cilíndricos em V, também receberam a denominação XL.

As XL foram criadas se enquadrando na categoria DUAL SPORT, são motos que tem visual de moto off road, compartilham muitas peças e características entre elas, mas receberam itens de iluminação e conveniência para se tornarem motos aptas a rodarem em vias públicas. Garantindo boa diversão no uso urbano e fora de estrada, são consideradas “on-off-road”

E as XR

Essa série já leva o tema off road mais a sério, com suspensões de curso bem maior, relações de transmissão mais reduzidas, normalmente já equipadas de fábrica com pneus de cravo, aros de alumínio, e em muitos casos não traziam espelhos, setas e demais acessórios urbanos.

XR200 a série XR destinada ao off road
A linha XR com maior vocação off road, a XR200 lançada no Brasil era visualmente muito parecida as XR400 e XR650 importadas.

Aqui no Brasil recebemos uma boa leva de “XR” importadas nos anos 1990, as XR 400, XR 600 e XR 650 eram as mais comuns, motos extremamente resistentes. Tivemos também a XR 200, fabricada no Brasil mas com visual fiel as suas irmãs de maior cilindrada importadas e a XR 250 Tornado, que marcou a volta das off road 250cc depois de quase 10 anos fora de produção no pais.

Conheça por exemplo, a XR 650 que pertenceu ao piloto Zé Hélio, e passou por nossas paginas.

As NX com um propósito mais urbano

Uma tendência que surgiu no final dos anos 1980, urbanizar ainda mais as motos trail.

Com carenagens de farol fixas, maior proteção aerodinâmica, melhor acabamento, assentos mais confortáveis, relações de transmissão mais alongadas, mas, ainda assim, mantendo o aro 21 na dianteira, em uma mescla interessante de off e on road. Assim surgiram as “Fun Bikes”.

NX150 a linha NX com vocação urbana
As NX150 e NX200 eram fieis a linha NX lançada no restante do planeta

Aqui no Brasil eram comuns as NX 150 – encantadoramente bonitas, em linha com o que se fazia no Japão, depois as 200cc.

Já a NX 350 Sahara, foi uma adaptação “Made in Brazil” da XLX 350R, nada errado até ai, mas a pisada na bola foi que a criaram como uma filhote, visualmente falando, da Africa Twin de 750cc (que na época conhecíamos apenas por revistas, pois a importação ainda era proibida no País).

Já conhece o canal Motos Clássicas 80 no Youtube?

clique e confira!
NX 350 Sahara teve seu desenho inspirado na africa twin com mecanica de xlx 350r
A Sahara, sem duvida uma das mais belas motos daquela época, mas, batizada de NX350, tinha visual parecido com a dakariana XRV Africa Twin.

A moto era bonita e imponente, mas epa! Como assim? A África Twin nunca foi uma NX. Ela nasceu XRV!!! (e detalhe, as “África Twin” atuais, de 1000cc, são CRF 1000L) Eita que lambança!

A Falcon também foi uma NX, mas já em um momento em que a linha perdia o brilho, de fato a história das NX foi meio conturbada por aqui, com influências não muito acertadas de outras linhas.

E por último, mas não menos importante, vale lembrar que em 1992 e 1993 a Honda importou oficialmente algumas unidades da NX 650 Dominator.

Pouca variedade

A pequena quantidade de motos disponíveis em nosso mercado nos anos 1980 e inicio dos 1990 fica clara ao fim dessa nossa conversa. Isso nos obrigou a fazer uso indevido de muitas delas, tirando carenagem de NX pra usar na trilha, colocando XR na estrada e assim por diante.

Durante todo o texto, citando todas as motos que conseguíamos comprar naquela época (desculpe se algum modelo ficou pra trás), sobra dedo na mão para contá-las.

Enquanto isso, no exterior, foram mais de 20 modelos apenas na linha XR, sem falar no tanto de XL que havia por lá.


Compartilhe este conteúdo

2 thoughts on “Propostas diferentes – Honda XL, XR e NX

  • blank

    MT interessante !!
    Mas o mercado de motos do Brasil estava preparado e com poder aquisitivo para tantas variedades de modelos ?
    Gostaria de sugerir uma matéria sobre as motos da sua coleção, afinal pelo que sei só tem moto top !!!

    Resposta
    • blank

      Olá José Souza. Sem duvida o mercado engatinhava, a venda era pequena e não se justificaria uma linha enorme de modelos. Sobre as materias das motos do acervo, voce encontra bastante coisa publicada no site, consulte no menu principal – SEÇÕES – NAQUELE TEMPO – GARAGEM – as motos que estão na seção GARAGEM fazem parte do acervo. No canal @motosclassicas80 do YouTube também tem alguns vídeos delas. abraço e obrigado pelo comentário

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *