Gau e suas histórias maravilhosas

Compartilhe este conteúdo

Talvez o João Gonçalves Filho (o “Gau”) jamais imaginasse que sua viagem, em 1976, deixaria reflexos na vida das pessoas décadas depois. Eu sou uma delas… Fã de aventuras desde garoto, me apaixonei pela imagem de sua AMF/Harley Davidson 1.200, em plena Floresta Amazônica.
Ainda com 16 anos, sonhava em viajar de moto e conhecer o mundo. Mas a vida é uma coisa e os sonhos vão ficando para trás. Mesmo assim tive a sorte de conhecer um grande amigo, o Marco Aurélio Ponzio que também gosta de moto e queria viajar.
Éramos leitores e colecionadores da revista Duas Rodas e nos acostumamos com os relatos de aventuras. Aos poucos, o sonho virou realidade e, em 1989, finalmente começamos a planejar a viagem.

Você tinha que falar

blank

Muito diferente do mundo digital de hoje, que oferece todas as informações com um simples toque no smartphone ou teclado do computador, era preciso falar com as pessoas. Era a única forma de obter informações sobre estradas, postos de combustível, hospedagens ou documentos necessários para cruzar fronteiras. Para descobrir só havia um meio: ler os relatos nas revistas ou conversar com pessoas que haviam feito a viagem de moto.
Para isso, contávamos com o apoio da redação de Duas Rodas. A Mônica Pina, secretária de redação, gentilmente informava o nome e o telefone de algum aventureiro que havia feito o trajeto. Assim ligávamos para a pessoa e marcávamos um encontro pessoalmente. Uma conversa regada à mapas, churrasco, cerveja, moto etc.. Dessa forma nasciam sólidas amizades.
Fiz minha grande viagem, acompanhado pelo Marco Aurélio, e nossa aventura foi publicada na revista Duas Rodas. Como sempre gostei de escrever, fui chamado pela redação para colaborar com a revista. Depois, cursei jornalismo e fiquei por mais de 15 anos na revista onde fui repórter e editor-chefe.
Em todo esse período, tive o prazer de conhecer pessoas maravilhosas. Entre eles estava o Gau, que sempre surgia com um novo projeto, um novo desafio, que contagiava o pessoal da redação.
Ele rodou mais de um milhão de quilômetros em inúmeras aventuras pelo Brasil e pelo mundo. Em uma delas foi do Oiapoque, no Amapá, ao Chui no extremo do Rio Grande do Sul e fez o caminho contrário passando por todas as capitais do Brasil. O mundo é pequeno para esse catarinense de 72 anos que influenciou gerações de leitores de Duas Rodas.
Mas havia outras viagens mais curtas, mais simples e não menos importantes para nós. Cada carta que recebíamos na redação (sim, os relatos e as fotos chegavam por carta) trazia uma história de superação, conquistas e realização.
Por mais de 15 anos, conheci muitos aventureiros. Gente que cruzou o mundo em poderosas BMW R 1100 GS ou foi até Minas Gerais de Honda CG 125. Todos tinham espaço nas páginas de Duas Rodas e todos tinham a minha atenção.

Tudo culpa do Gau

Fazia questão de ligar e conversar com eles. Muitas vezes marcava um encontro para conhecer a fundo suas histórias. Teve gente que se hospedou em nossa casa e sempre foram recebidos com um sorriso no rosto pela minha esposa Elisabete. Ela sabia o respeito que eu sentia (e sinto até hoje) por quem viaja de moto. Entre os aventureiros havia algo em comum: todos eram apaixonados pela revista Duas Rodas e tinham o Gau como uma referência.
Talvez ele não saiba disso, mas foi responsável por mudar (e melhorar) a vida de muita gente. Pois quem viaja abre a mente para o mundo e o torna um lugar melhor.
Grato, meu amigo
Cicero Lima

p.s. este capítulo está nas páginas do livro “Moto é o sonho que caminha” que relata as viagens do Gau, um humilde motoqueiro que tanto fez (e ainda faz) pelo motociclismo brasileiro.

blank

 


Compartilhe este conteúdo

2 thoughts on “Gau e suas histórias maravilhosas

  • blank

    Todo mundo adorava ler as aventuras do Gau. Ótima lembrança.

    Resposta
  • blank

    Cícero li muitas matérias da Duas Rodas, muitas delas provavelmente escritas por vc, que era só um nome nos créditos, hoje é um ilustre morador aqui da cidade. E saiba que foram elas que colaboraram e muito para que eu colocasse em prática a vontade de viajar pelas estradas com minha moto… essa do Gau então foi determinante…

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *